A Caixinha d’Ele ao Vento do Oriente

Ao pé do Tejo. Café. Eles se encontram pela primeira vez. Nunca tinham se encontrado, apesar de se conhecerem bem. Eles se falam há aproximadamente 14 anos. K tem 20 anos, é do signo de Capricórnio. F tem 45 anos, Aquariana com ascendente em Sagitário.   Nenhum dos dois mora em Lisboa. K esteve na cidade por 5 dias quando tinha 5 anos. F viveu na cidade por 7 anos e sempre pensou que esta…

Continue Reading A Caixinha d’Ele ao Vento do Oriente

No Trem d’Écrire

Eu jogo: alguma verdade a poucas mentiras…   Há 10 dias conversei, via Messenger, com alguém que nem conheço. Tudo começou com esta imagem. E nossa conversa seguiu pelos trilhos de sair dos trilhos e empatias com descobertas do lado de lá e, indo adiante em associação com a análise, com descobertas do lado de cá.   Esta noite tive um sonho: ela me escrevia. «Ana Carolina est en train d’écrire», aparecia. Realização de desejo?…

Continue Reading No Trem d’Écrire

Moldura

Todo dia essas linhas escuras se estendem de um lado a outro do que vejo. Todo dia essas linhas atravessam o que posso enxergar e contemplar. Todo dia elas se colocam de cima para baixo, cada vez mais grossas obstruindo mais e mais. A cada instante elas fazem barreira à luz, elas arrancam o brilho que entra, elas esbarram o que vem, elas cortam o que vejo.   Que essas linhas sumam! É o que…

Continue Reading Moldura

Ao Entrar

«Que ninguém entre aqui se tiver a intenção de sair» diz o escrito pregado ao alto. Ao entrar, deixe o absoluto à porta. E com ele deixe a intolerância. Não entre se não conseguir suportar a angústia da incerteza, do diferente e do que não tem normas. São poucos os capazes de lidar com ela e aqui dentro não cabe nenhum eleito. Ao entrar, só verá o absurdo, só haverá o singular, o mais próprio…

Continue Reading Ao Entrar

Mrài

Para que digo? Para ninguém. Para nada. Ninguém ouve. Ninguém sabe. Uma vida secreta. Uma vida oculta. Uma vida que não há, que não existe. Uma vida fantasma atormentada por fantasmas.   Se uma vida que não existe é uma vida fantasma, os tormentos fantasmas são tormentos que não existem, tormentos irreais, tormentos criados, bem criados, bem nutridos, bem crescidos os tormentos, que atormentam a vida fantasma e não a deixam encarnar. Tormentos tornados reais,…

Continue Reading Mrài

Fim dos textos

No more pages to load